Novas concessões devem ter preço de pedágio mais alto

Novas concessões devem ter preço de pedágio mais alto

Novas concessões devem ter preço de pedágio mais alto

Notícias

Vitrine do primeiro mandato de Dilma Rousseff, a era de concessões em infraestrutura com tarifas baixas ficou definitivamente para trás. O governo, pressionado pelas empresas e pela piora no cenário econômico, concordou em elevar a rentabilidade das propostas para os concessionários e, consequentemente, os preços que essas poderão cobrar na exploração comercial de suas concessões.

Nesta terça-feira, 14, foi anunciado o teto do pedágio, que poderá ser cobrado na primeira rodovia que o governo pretende leiloar. A chamada “Rodovia do Frango”, entre Lapa (PR) e Chapecó (SC), poderá ter uma tarifa de até R$ 13,41 para cada 100 km percorridos. É quase o dobro do que se viu na primeira edição do Programa de Investimentos em Logística (PIL), quando os tetos estipulados pelo governo ficaram em R$ 7,60, em média.

A mudança de rumo atende uma antiga reivindicação do setor de concessão. Foi interpretada como um sinal de que o governo tenta mudar os ânimos dos empresários, que não querem colocar dinheiro em novos projetos justamente no momento em que o Brasil precisa de investimentos para reaquecer a economia. Para especialistas em infraestrutura, trata-se de uma tendência que se repetirá nas demais concessões.

Neste momento, porém, a decisão pode ter um efeito colateral indesejável: todas as estradas e ferrovias do plano de concessões são eixos centrais para o escoamento de carga do País. Se os leilões confirmarem um pedágio mais elevado, esse custo tende a ser repassado para os produtos. “O valor pode atrair o mercado, mas é algo assustador para a população em um momento em que a inflação já passa de 9%. Não há dúvida de que vai se traduzir em repasse no preço dos produtos e insumos transportados”, diz Carlos Campos, pesquisador de Infraestrutura do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea).

A avaliação é confirmada pelo presidente da Organização das Cooperativas do Estado de Santa Catarina, Marcos Antônio Zordan: “A agroindústria vai arcar com o custo num primeiro momento, mas vai repassar ao consumidor”, disse. Segundo Zordan, os custos com transporte representam de 8% a 9%. Por outro lado, ele contemporizou: a melhora das rodovias da região ajudará a reduzir um custo hoje “incalculável” do tráfego pesado de caminhões por pistas simples.

Um técnico do governo ligado à área de logística argumentou que as tarifas “subiram um pouco porque subiu a Taxa Interna de Retorno (TIR)”. Ele argumenta que as condições de mercado estão mais adversas e as de financiamento, mais apertadas, mas que “não é nada para assustar”. Essa fonte afirmou ainda que se trata de um parâmetro que poderá mudar, porque ainda será discutido com o Tribunal de Contas da União (TCU). Além disso, espera-se que a disputa das empresas no próprio leilão se encarregue de reduzir o preço.

Portos. O governo também indicou que as tarifas portuárias ficarão num nível mais elevado do que o projetado no primeiro mandato de Dilma Rousseff. O Ministério da Fazenda fixou em 10% a TIR dos arrendamentos portuários, ante 8,3% da primeira edição do PIL. Na sexta-feira, já havia sido anunciado que a taxa das rodovias seria de 9,2%, ante 7,2% no governo anterior. A tendência é que a TIR das ferrovias fique acima de 10%, porque os empreendimentos envolvem os riscos mais elevados de todo o conjunto de concessões.

“Os preços subiram por duas razões distintas”, disse o economista Cláudio Frischtak, da consultoria Inter.B. O primeiro é a piora da situação macroeconômica, que elevou o custo de capital. “Além disso, os bancos estão cautelosos nos empréstimos às empresas do setor de construção civil, por causa da Operação Lava Jato”, comentou. Acrescenta-se a essa lista a redução do papel do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) na concessão de empréstimos a juros subsidiados.

Foi por reconhecer a existência de condições macroeconômicas mais difíceis que, desde o início do ano, o ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, responsável pelos programas de investimento do governo, vinha indicando que as concessões teriam de oferecer maior rentabilidade

 

Fonte – Estado de S. Paulo

Posts Relacionados

ANUT participará do evento P3C PPP e Concessões no Painel sobre RCR!

27/01/2023

Notícias

ANUT participará do evento P3C PPP e Concessões no Painel sobre RCR!

🗓️ Confira as datas: 27 de Fevereiro | Abertura e Premiação | Presencial | B3 28 de Fevereiro | Conferência | Presencial | Centro de Convenções Frei Caneca 🚨Informações https://lnkd.in/dnytsxEc

Saiba mais
Free Flow tem início na BR-101/RJ (Rio-Santos) na segunda-feira (30/1)

27/01/2023

Notícias

Free Flow tem início na BR-101/RJ (Rio-Santos) na segunda-feira (30/1)

Após o período de testes e ajustes nos equipamentos, cobrança efetiva deve acontecer a partir de março A Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) e a CCR RioSP, concessionária responsável pela BR-116/101/RJ/SP, iniciam, […]

Saiba mais
ANTT abre Audiência Pública sobre o Vale-Pedágio obrigatório

23/01/2023

Notícias

ANTT abre Audiência Pública sobre o Vale-Pedágio obrigatório

A sessão pública acontece dia 13/2   AAgência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) publicou a Deliberação nº 3 que comunica a realização da Audiência Pública nº 2/2023 sobre a proposta de revisão e atualização da […]

Saiba mais