Nosso Presidente Executivo Luis Henrique Teixeira Baldez concede entrevista ao Monitor Mercantil

Nosso Presidente Executivo Luis Henrique Teixeira Baldez concede entrevista ao Monitor Mercantil

Nosso Presidente Executivo Luis Henrique Teixeira Baldez concede entrevista ao Monitor Mercantil

Notícias

Baldez comenta a implantação de novas ferrovias durante a Intermodal.

Hoje, no Brasil, pelo sistema vigente, é impossível se implantar uma nova ferrovia. A afirmação foi feita pelo presidente da Associação Nacional dos Usuários de Transporte (Anut), Luiz Henrique Baldez, na abertura da feira Intermodal, em São Paulo.

Segundo Baldez, sua entidade fez estudos e chegou à conclusão de que concessionários privados só têm condições de bancar 45% dos custos de uma ferrovia e, desse modo, teria de haver subsídio federal de 55% do custo total. Como a União vive fase de ajuste fiscal, Baldez praticamente conclui que, tão cedo, não se irá criar uma nova estrada de ferro no país. Se a parte privada subisse, os fretes a serem cobrados teriam de ser muito elevados.

“Isso é particularmente preocupante, porque o caminhão já leva 60% das cargas e, retirando-se do cálculo o minério de ferro, um produto que não pode ser levado por caminhões, por seu peso, a participação do setor rodoviário chega a 90% das cargas”, disse, mostrando um cenário preocupante em relação à eficiência do transporte, tendo em vista os altos custos e geração de poluição dos caminhões.

Citou ainda que, se houvesse recursos para iniciar hoje uma nova ferrovia, essa só poderia operar em 2023, devido à necessidade de atender às diversas exigências governamentais, principalmente na área de meio ambiente.

Todas as autoridades que se pronunciaram no evento frisaram que o orçamento federal está indefinido, pois ninguém sabe a extensão dos cortes que serão feitos pela equipe econômica.

O cenário de transportes e logística no país não é dos mais promissores. Dados mostrados por Carlos Campos, coordenador do Ipea, indicam que o Brasil investiu, entre 2003 e 2013, apenas 0,61% do Produto Interno Bruto (PIB) em transportes, em comparação com 3,4% de países de desenvolvimento comparável, como China, Rússia, Índia, Coréia do Sul e Colômbia.

“E, pelas perspectivas de cortes nos investimentos, previmos que, em 2015, esse gasto com transporte, no Brasil, vai cair para 0,55% do PIB, sem dúvida um nível excepcionalmente baixo”, disse Campos.

Com dados do Instituto Ilos, citou que o custo logístico no Brasil é de 11,5%, em comparação com 8,7% nos Estados Unidos. Já o Banco Mundial, em análise sobre 160 países, mostrou que o Brasil é apenas o 65º entre os mais eficientes na economia, embora esteja entre as dez maiores potências mundiais.

Um fato positivo é que, em 2015 e 2016, devido a cortes na área pública, o setor privado deverá investir mais do que o governo, em transportes. Em 2016, se prevê investimentos de R$ 12,1 bilhões do setor público e R$ 20 bilhões dos particulares.

Dnit

Luiz Guilherme Mello, diretor do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit), do Ministério dos Transportes, confirmou que, diante dos problemas orçamentários deste ano, o governo federal dará prioridade à manutenção de rodovias, deixando a construção de lado. Uma exceção será a rodovia BR-163, que ligará o Centro do país ao porto paraense de Santarém, no Pará, e que deverá ficar pronta em 2016.

“Isso possibilitará escoamento de grãos no chamado Arco Norte, com grande economia para a nação”, disse.

Mello lamentou que, em uma análise do seu departamento, se constatou que 90% dos caminhões estavam com excesso de peso, o que reduz a duração das estradas. O uso de balanças está vedado, por ação judicial do Ministério do Trabalho mas, em breve, o Dnit, com tecnologia norte-americana, deverá implantar moderno sistema.

Por esse método, haverá um controle genérico de peso nas estradas e, quando se constatarem irregularidades, os caminhões serão encaminhados a balanças de maior precisão, para advertência e possível aplicação de multas.

“Vamos começar com pesagem educativa”, disse.

Dragagem

O presidente da Anut, Luiz Henrique Baldez, elogiou a intenção do governo de ceder a dragagem dos portos a privados, o que será alvo de audiências públicas em breve. Previu que, com a privatização, os preços caiam 25% e a eficiência da dragagem aumente. Baldez sugeriu que, tanto em rodovias, como ferrovias, o governo não pretenda ser compensado pelos gastos de construção, pois, em caso contrário, os pedágios ficariam muito caros.

O consultor Frederico Bussinger salientou que vê com bons olhos o escoamento de grãos pelo Norte, mas citou que o Porto de Santarém movimenta 1,5 milhão de toneladas e se prevê atingir 12 milhões em breve, com soja e milho do Centro-Oeste. Com isso, o Centro de Santarém, que já tem trânsito caótico, irá piorar ainda mais. Portanto, sugeriu que o investimento federal inclua obras viárias nessa cidade paraense.

Itapoá e Ibama

Quando qualquer setor econômico se reúne, sempre há citações ao Ibama e a outros órgãos ambientais. A feira Intermodal não foi exceção. O presidente do porto catarinense de Itapoá, Patrício Júnior, salientou que seu grupo tem autorização dos órgãos técnicos para investir meio bilhão de reais em terminal, mas que o processo está há um ano à espera da definição do Ibama.

“Em fase de poucos investimentos públicos, essa expansão seria boa para toda a sociedade catarinense e brasileira.”

Mais carne

A demanda pela carne bovina brasileira deve crescer em 2015, mas o bom desempenho das exportações depende de uma recuperação do comércio com a Rússia, segundo avaliação do holandês Rabobank. O país, que é o segundo maior importador desse produto, reduziu suas compras durante o primeiro trimestre: “Os desenvolvimentos da situação na Rússia serão uma questão-chave para as exportações de carne brasileira neste ano”, afirmam os analistas do banco em relatório trimestral sobre o mercado internacional do boi.

As vendas externas do Brasil, no entanto, devem ser favorecidas pela desvalorização do real, uma tendência que a instituição financeira acredita que irá continuar. A depreciação torna os produtos brasileiros relativamente mais baratos para alguns mercados internacionais, o que se reflete em ganho de competitividade. O banco também afirma que as crises energéticas e hídricas no país devem limitar a capacidade de crescimento da indústria brasileira em geral, neste ano.

Made in Brazil

Em toda crise, apesar de muitos estragos, há sempre alguns itens positivos. A marca de moda masculina Jack the Barber – especializada em tamanhos especiais de calças – informa que está conquistando um tipo de comprador que antes procurava adquirir essas unidades nos Estados Unidos. Com a alta do dólar, vale a pena testar o sucedâneo nacional. O mesmo ocorre com a Tricae, empresa de vendas pela rede – ecommerce – de produtos infantis. Com o real desvalorizado, mais brasileiros fazem o enxoval dos bebês no mercado interno.

GE

Em meio a muitas demissões e encolhimento de empresas, a norte-americana GE informa que, em 2014, a companhia teve encomendas, no Brasil, de US$ 4,4 bilhões, quase o dobro dos US$ 2,3 bilhões de 2013. Boa parte disso decorre do Rio, com a ampliação da unidades de motores Celma, de Petrópolis. Também no Rio fica o Centro de Pesquisas Global, que teve investimento de US$ 500 milhões. A GE Brasil é a terceira do grupo no mundo, após a GE norte-americana e a filial chinesa.

Rápidas

*** Nesta quinta-feira haverá simpósio sobre cidades inteligentes, no Museu de Arte do Rio (MAR), situado próximo à zona portuária *** Fernando Henrique Cardoso será uma das presenças no evento de comércio eletrônico Vtex Day, nesta sexta-feira, em São Paulo *** Começa nesta quarta-feira, no Rio, a LTE Latin America. Jesper Rhode, diretor de Marketing da Ericsson para a América Latina, fará palestra sobre carros conectados e inovação *** A Fundação Dom Cabral (FDC), promove, na Associação Comercial de Santos, o 1º Diálogo com Empresários da Baixada Santista, nesta quarta-feira. O tema será Desafios financeiros em tempos de crise *** Nesta quarta-feira, na ESPM Rio, haverá debate sobre a presença das mulheres nas funções executivas nas empresas. Somente mulheres vão participar das discussões *** A Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil) promove, nesta quarta-feira, em São Paulo, o seminário Varejo Americano, uma estratégia diferenciada para competir no maior mercado do mundo. Lá estarão cerca de 80 empresas de médio e pequeno porte do setor de alimentos e bebidas, sequiosas de vender para os Estados Unidos ***A empresa norte-americana Globalstar informa que conta com 72 satélites próprios e, neste primeiro trimestre, cresceu 17% no Brasil, em relação ao mesmo período de 2014.

Posts Relacionados

ANUT participará do evento P3C PPP e Concessões no Painel sobre RCR!

27/01/2023

Notícias

ANUT participará do evento P3C PPP e Concessões no Painel sobre RCR!

🗓️ Confira as datas: 27 de Fevereiro | Abertura e Premiação | Presencial | B3 28 de Fevereiro | Conferência | Presencial | Centro de Convenções Frei Caneca 🚨Informações https://lnkd.in/dnytsxEc

Saiba mais
Free Flow tem início na BR-101/RJ (Rio-Santos) na segunda-feira (30/1)

27/01/2023

Notícias

Free Flow tem início na BR-101/RJ (Rio-Santos) na segunda-feira (30/1)

Após o período de testes e ajustes nos equipamentos, cobrança efetiva deve acontecer a partir de março A Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) e a CCR RioSP, concessionária responsável pela BR-116/101/RJ/SP, iniciam, […]

Saiba mais
ANTT abre Audiência Pública sobre o Vale-Pedágio obrigatório

23/01/2023

Notícias

ANTT abre Audiência Pública sobre o Vale-Pedágio obrigatório

A sessão pública acontece dia 13/2   AAgência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) publicou a Deliberação nº 3 que comunica a realização da Audiência Pública nº 2/2023 sobre a proposta de revisão e atualização da […]

Saiba mais