Justiça paralisa obras de ferrovia da Vale no Maranhão

Justiça paralisa obras de ferrovia da Vale no Maranhão

Justiça paralisa obras de ferrovia da Vale no Maranhão

Notícias

A Justiça Federal no Maranhão determinou a paralisação de parte das obras para a duplicação da Estrada de Ferro Carajás da Vale, em trecho próximo a uma terra ocupada por índios da etnia Awá-Guajá, um dos poucos povos classificados como quase isolados. A duplicação da ferrovia faz parte do maior projeto em curso da companhia, o S11 D, que envolve investimentos de mais de US$ 16 bilhões, incluindo uma nova mina, uma usina e expansão logística. A Vale diz que vai recorrer.

A decisão, em caráter liminar, é do juiz Ivo Anselmo Höhn Júnior, da 8ª Vara Federal do Maranhão, que atendeu a ação civil pública movida pelo Ministério Público Federal do Maranhão. Os procuradores acusam a Vale de não ter feito consulta prévia “adequada” aos índios e de oferecer-lhes presentes em troca de apoio. Também acusam o Ibama e a Funai de omissão. O juiz determinou que o Ibama organize uma consulta prévia em 90 dias e que “se abstenha de conceder licença ambiental” para o trecho em questão.

A Vale foi notificada em 9 de julho e paralisou as obras em seguida. A suspensão ocorreu num trecho próximo à terra indígena Caru, que abriga o povo Awá-Guajá, entre os quilômetros 274 e 326 da ferrovia, em Alto Alegre do Pindaré (MA). Segundo a empresa, as obras estão dentro da faixa de domínio (que é de 40 metros a partir do eixo da ferrovia) e fora da terra Caru, havendo, inclusive, um rio que separa as obras da aldeia. O transporte na ferrovia já construída, que liga Pará ao Maranhão, não foi afetado.

A Vale diz que realizou reuniões nas aldeias indígenas, com a participação de representantes da Funai, ocasião em que apresentou a obra de ampliação da Estrada de Ferro Carajás e esclareceu todas as dúvidas. Diz que também realizou uma reunião pública em 17 de julho de 2012, “com a presença significativa da sociedade e dos indígenas”. Após esses procedimentos, diz a empresa, a Funai emitiu autorização para as obras e o Ibama ratificou a autorização na forma da lei. A companhia nega que tenha dado presentes aos índios.

O Ibama informou que ainda não foi notificado da liminar. Disse em nota que “as autorizações sempre foram precedidas de consulta e manifestação da Funai”. A Funai não quis comentar a decisão judicial.
Fonte – O Globo

Posts Relacionados

ANUT participará do evento P3C PPP e Concessões no Painel sobre RCR!

27/01/2023

Notícias

ANUT participará do evento P3C PPP e Concessões no Painel sobre RCR!

🗓️ Confira as datas: 27 de Fevereiro | Abertura e Premiação | Presencial | B3 28 de Fevereiro | Conferência | Presencial | Centro de Convenções Frei Caneca 🚨Informações https://lnkd.in/dnytsxEc

Saiba mais
Free Flow tem início na BR-101/RJ (Rio-Santos) na segunda-feira (30/1)

27/01/2023

Notícias

Free Flow tem início na BR-101/RJ (Rio-Santos) na segunda-feira (30/1)

Após o período de testes e ajustes nos equipamentos, cobrança efetiva deve acontecer a partir de março A Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) e a CCR RioSP, concessionária responsável pela BR-116/101/RJ/SP, iniciam, […]

Saiba mais
ANTT abre Audiência Pública sobre o Vale-Pedágio obrigatório

23/01/2023

Notícias

ANTT abre Audiência Pública sobre o Vale-Pedágio obrigatório

A sessão pública acontece dia 13/2   AAgência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) publicou a Deliberação nº 3 que comunica a realização da Audiência Pública nº 2/2023 sobre a proposta de revisão e atualização da […]

Saiba mais