Governo estuda proteção cambial nas concessões

Governo estuda proteção cambial nas concessões

Governo estuda proteção cambial nas concessões

Notícias

O governo estuda a criação de novos mecanismos financeiros para proteger investidores estrangeiros do risco cambial nas concessões de infraestrutura. Fontes ligadas ao Ministério dos Transportes e ao Programa de Parcerias de Investimentos (PPI), que participaram de reuniões com potenciais investidores em Londres e Tóquio nas últimas semanas, disseram ao Valor que essa continua sendo uma das principais demandas dos estrangeiros que pretendem participar de grandes projetos no país.

A ideia em discussão prevê o uso de instrumentos de mercado. O Banco Central poderia, por exemplo, aumentar a oferta de swaps cambiais e emitir títulos conversíveis, mas sempre restritos aos investidores nas concessões de infraestrutura. O Valor apurou, no entanto, que a equipe econômica não tem simpatia por esse mecanismo e descarta iniciar discussão que possa envolver o uso das reservas internacionais.
Relatos das autoridades que foram “vender” as concessões de infraestrutura no exterior indicam que há grande preocupação dos investidores com a viabilidade econômica dos projetos licitados no governo Dilma Rousseff. Por isso, uma medida provisória que abre a possibilidade de rescisão “amigável” dos contratos e prevê indenizações aos atuais concessionários deve ser publicada nos próximos dias. A versão final da MP foi discutida anteontem entre o secretário-executivo do PPI, Moreira Franco, e os ministros Maurício Quintella (Transportes) e Dyogo Oliveira (Planejamento).

A preocupação com o risco cambial é mais forte entre fundos de pensão e de investimentos, que não atuam em setores de infraestrutura. Grandes operadoras internacionais de aeroportos, por exemplo, não têm essa preocupação porque vêm para o Brasil com a disposição de ficar décadas à frente das operações. Para elas, o hedge é uma necessidade menor e os efeitos das variações cambiais são mitigados no longo prazo, em contratos com 30 anos de duração.

A visão dos fundos, investidores financeiros, é diferente. Embora tenham também foco no longo prazo, eles querem ter a opção de se desfazer rapidamente de participações acionárias nos projetos de infraestrutura para realizar lucros ou cobrir perdas no exterior. Por isso, acenam que só colocarão dinheiro nas concessões se estiverem protegidos do risco cambial.

Fonte – Valor Econômico

Posts Relacionados

ANUT participará do evento P3C PPP e Concessões no Painel sobre RCR!

27/01/2023

Notícias

ANUT participará do evento P3C PPP e Concessões no Painel sobre RCR!

🗓️ Confira as datas: 27 de Fevereiro | Abertura e Premiação | Presencial | B3 28 de Fevereiro | Conferência | Presencial | Centro de Convenções Frei Caneca 🚨Informações https://lnkd.in/dnytsxEc

Saiba mais
Free Flow tem início na BR-101/RJ (Rio-Santos) na segunda-feira (30/1)

27/01/2023

Notícias

Free Flow tem início na BR-101/RJ (Rio-Santos) na segunda-feira (30/1)

Após o período de testes e ajustes nos equipamentos, cobrança efetiva deve acontecer a partir de março A Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) e a CCR RioSP, concessionária responsável pela BR-116/101/RJ/SP, iniciam, […]

Saiba mais
ANTT abre Audiência Pública sobre o Vale-Pedágio obrigatório

23/01/2023

Notícias

ANTT abre Audiência Pública sobre o Vale-Pedágio obrigatório

A sessão pública acontece dia 13/2   AAgência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) publicou a Deliberação nº 3 que comunica a realização da Audiência Pública nº 2/2023 sobre a proposta de revisão e atualização da […]

Saiba mais