Empresários temem aumento das tarifas de pedágio nas estradas

Empresários temem aumento das tarifas de pedágio nas estradas

Empresários temem aumento das tarifas de pedágio nas estradas

Notícias

Em carta enviada ao ministro da Economia, Paulo Guedes, a Anut (Associação Nacional dos Usuários do Transporte de Carga) fez um apelo para que o governo não reveja os contratos de concessão de rodovias neste momento. A entidade alertou que a medida poderá ter como consequência a elevação das tarifas de pedágio.

Na carta, a Anut manifesta preocupação com notícias recentes sobre o reequilíbrio dos contratos de concessão, com base em um parecer da AGU (Advocacia-Geral da União). O órgão justifica sua posição alegando “motivo de força maior”, causado pelos efeitos da pandemia de Covid-19.

A Anut representa os transportadores de mais de um terço de toda carga em atacado no Brasil. Destacam-se os setores de aço, metais não ferrosos, cimentos e argamassas, açúcar, álcool e bioenergia, metal mecânico, madeira, papel e celulose, química e fertilizantes, materiais cerâmicos e carnes. Atualmente, os usuários pagam R$ 22,0 bilhões por ano em pedágios.

De acordo com a entidade, a Resolução nº 5.850,  da ANTT (Agência Nacional de Transporte Terrestre), determina que a recomposição do equilíbrio econômico-financeiro ocorre, prioritariamente, pelo aumento ou a redução da tarifa básica de pedágio. Se esse critério for de fato aplicado em um momento de expressiva queda do fluxo rodoviário, alertou, o setor produtivo será fortemente prejudicado.

“Assim sendo, se a prioridade apontada for aplicada na situação atual de expressiva queda do fluxo rodoviário, fatalmente prevalecerá a repetida prática de aumento do pedágio, repercutindo na elevação dos custos dos setores produtivos, justamente neste momento de clara deterioração do fluxo de caixa das empresas”, diz a carta.

Na carta, o presidente da Anut, Luis Henrique Teixeira Baldez, destaca que existem várias formas de se reequilibrar um contrato de concessão. Entre elas estão a reprogramação de investimentos e até mesmo o prazo das concessões. Um fator importante a ser avaliado, completou, é a evolução do tráfego.

“Assim, quando se estabelece uma tarifa de pedágio, os usuários começam a remunerar, desde o primeiro momento de uso da rodovia, todo o investimento projetado durante o prazo da concessão, segundo a taxa de retorno estabelecida”, diz um trecho da carta.

Procurado, o Ministério da Economia disse que ainda não recebeu a correspondência da Anut.

Fonte: Jornal o Vale/O Globo

Posts Relacionados

ANUT participará do evento P3C PPP e Concessões no Painel sobre RCR!

27/01/2023

Notícias

ANUT participará do evento P3C PPP e Concessões no Painel sobre RCR!

🗓️ Confira as datas: 27 de Fevereiro | Abertura e Premiação | Presencial | B3 28 de Fevereiro | Conferência | Presencial | Centro de Convenções Frei Caneca 🚨Informações https://lnkd.in/dnytsxEc

Saiba mais
Free Flow tem início na BR-101/RJ (Rio-Santos) na segunda-feira (30/1)

27/01/2023

Notícias

Free Flow tem início na BR-101/RJ (Rio-Santos) na segunda-feira (30/1)

Após o período de testes e ajustes nos equipamentos, cobrança efetiva deve acontecer a partir de março A Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) e a CCR RioSP, concessionária responsável pela BR-116/101/RJ/SP, iniciam, […]

Saiba mais
ANTT abre Audiência Pública sobre o Vale-Pedágio obrigatório

23/01/2023

Notícias

ANTT abre Audiência Pública sobre o Vale-Pedágio obrigatório

A sessão pública acontece dia 13/2   AAgência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) publicou a Deliberação nº 3 que comunica a realização da Audiência Pública nº 2/2023 sobre a proposta de revisão e atualização da […]

Saiba mais